USIMINAS em greve!

05/03/2013 02:08

Felipe Queiroz*

Cubatão, 04 de março de 2013, 06:15 da madrugada. Antes, um desvio na saída de Santos sem qualquer motivo aparente. Mais tarde contaram que o caminhão de som do Sindicato dos Metalúrgicos foi o único parado pela polícia, mas nada fizeram devido à documentação estar rigorosamente em dia. Chegamos na USIMINAS às 06:40, eu junto de quatro companheiros.

Estavam fora da empresa apenas trabalhadores de turno. Os outros ainda não haviam chegado, e as chefias em vão tentavam assediá-los para votar contra a greve. Em vão. Motivo: segundo o sindicato da categoria, e toda a base que lá estava, o não pagamento da participação dos lucros e resultados (PLR) acordada no fim do ano passado. De 2,5 a 3,75, a USIMINAS pagou apenas 1,25.

Os trabalhadores de turno votaram pela greve, mas os outros ainda não estavam presentes. Até que vieram, ônibus e mais ônibus... Chegavam ordens para não deixar tais trabalhadores descerem dos ônibus, até que do caminhão de som o sindicato ameaçou denúncia de cárcere privado, o suficiente para deixá-los descer.

Novos discursos junto do microfone, e desta vez notei maior identificação por parte dos que escutavam. Palmas. "É isso mesmo!". "Chega disso!". "Inclusive só a PLR é um pedido rebaixado, é o mínimo, mas se eles não dão não estão nem aí pra gente". "Já trabalhamos com risco, somos forçados a fazer outra função, e eles lucram com o suor do nosso trabalho?".

E eis que declaram greve. E agora que as chefias que vão para os postos de trabalho ver se conseguem produzir alguma coisa... Ou então, que pelo menos apareça com uma nova proposta para os trabalhadores avaliarem. O que não dá é haver trabalhadores mal pagos quando inclusie muitos deles morrem na lide siderúrgica, dado o alto risco.

São a partir de demandas específicas, no seio da categoria, que passa-se a discutir demandas macro de nossa sociedade. Por isto, é importante que os comunistas estejam juntos do movimento sindical para conhecer a classe que fará a revolução. O PCB dá todo o apoio à greve da USIMINAS em Cubatão, a qual provavelmente se alastrará para a cidade mineira de Ipatinga. Enquanto não há socialismo, que todas as greves pontuais sejam vitoriosas. Pois, neste caso, lutar por maiores rendimentos é lutar pela vida.

* Membro do Comitê Municipal de Santos do Partido Comunista Brasileiro (PCB).